Rendimento escolar está relacionado ao DNA. Entenda

Por Jussara Goyano* | Foto: 123 Ref | Adaptação web Caroline Svitras

Cientistas da King’s College London mostraram que uma pontuação genética compreendendo 20 mil variantes de DNA explica quase 10% das diferenças entre o nível educacional de crianças com 16 anos. O DNA por si só, portanto, fornece uma melhor previsão do desempenho acadêmico do que o sexo ou mesmo o grit, um traço de personalidade pensado para medir a perseverança e a paixão por objetivos em longo prazo.

 

Publicado no periódico Molecular Psychiatry, estes resultados marcam um ponto de viragem 39 na previsão do desenvolvimento acadêmico e poderia ajudar a identificar crianças que estão em risco maior de ter dificuldades de aprendizagem.

 

Nota divulgada no site Science Daily sobre o estudo comenta, ainda, que pesquisas anteriores com gêmeos descobriram que 60% das diferenças entre o sucesso escolar dos indivíduos são devido a diferenças no DNA. Enquanto isto pode parecer muito longe dos 10% previstos no presente estudo, os autores observam que estudos com gêmeos examinam a soma total de todos os efeitos genéticos, incluindo tanto variantes comuns quanto raras, as interações entre genes e interações gene-ambiente. Estudos com gêmeos podem, portanto, mostrar a influência genética global sobre uma característica em uma população. Pontuações poligênicas, no entanto, estimam a influência genética somente de variantes comuns, o que explica a discrepância entre esses estudos baseados em DNA e estudos com gêmeos (10% vs 60%).

 

Revista Psique Ciência & Vida Ed. 127

Adaptado do texto “Desempenho acadêmico”

*Jussara Goyano é jornalista. Estuda Psicologia, Medicina Comportamental e Neurociências, com foco em resiliência, bem-estar e performance. É coach certificada pelo Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento.