Descubra a essência em você

Não podemos deixar que fatores psicológicos prejudiquem o desabrochar das melhores características do ser humano, que faz com que alcemos voos mais altos

Por Eduardo Shinyashiki* | Foto: Shutterstock | Adaptação web Caroline Svitras

 

Muitas são as obras de arte conhecidas mundialmente do grande artista e escultor da Renascença italiana Michelangelo, sendo uma das mais famosas a estátua de David, feita em mármore, localizada atualmente em Florença, na Itália.

 

Ao longo dos anos, essa escultura continua fascinando o mundo e impressionando por sua beleza, perfeição e maestria. Porém, poucos sabem que, antes de ser esculpido pelo mestre, o pedaço enorme de mármore foi considerado defeituoso e inútil por muitos artistas, inclusive por ninguém menos que Leonardo da Vinci, que declinou o convite de trabalhar essa rocha, considerando que nada podia sair dela, que aquilo não poderia dar forma a algo, e assim ficou por muitos anos jogada e abandonada.

 

Tempos depois de Leonardo ter declinado o convite, Michelangelo começou a trabalhar nela e criou a obra de arte que é o David. Enquanto se envolvia no projeto, um jovem ajudante perguntou para ele: “Mestre, por que você aceitou trabalhar nesse pedaço de mármore?”. Ele respondeu: “Meu jovem, tem um anjo dentro dessa pedra. Eu só o estou deixando livre”.

 

Pensando nessa metáfora que Michelangelo utilizou, todos nós somos uma obra de arte, mesmo que, às vezes, escondida ainda na “pedra”. Existem pessoas que não reconheceram, ainda, o seu valor e outras que ficam esperando que alguém reconheça nelas essa qualidade.

 

Podemos, então, refletir sobre o que é importante fazer para que nossa essência se manifeste e o que nos impede de voar alto, em liberdade. Em resumo, três comportamentos que bloqueiam o desabrochar das melhores características do ser humano:

 

  • Preocupar-se: ou seja, ocupar-se antes dos fatos acontecerem e alimentar pensamentos negativos e repetitivos sobre as possíveis consequências fazem com que nosso cérebro se programe para o insucesso. Em vez disso, podemos, sim, verificar as alternativas, fortalecer as próprias habilidades e competências.
  • Ficar preso ao passado, lamentando-se e revivendo situações antigas e não se atualizar. A principal capacidade de um líder é a habilidade de lidar com as mudanças, que trazem consigo o desafio da incerteza. Em tempos assim, velhos modelos mentais baseados em experiências passadas não levam a resultados positivos, e ficar na zona de conforto do que já foi só cria frustração.
  • Não agir. Bloquear a ação cria estagnação. Precisamos ter atitude para ir em direção à realização e objetivos. A vida em si é mudança e movimento. Nada torna o líder mais forte que a sua capacidade de fazer e de traduzir as intenções em ações.

 

O conflito pode ser construtivo

 

Em geral, isso nos mostra como é importante olhar para o futuro e mudar velhas rotinas, por mais dolorido que seja. Às vezes, precisamos desmascarar as falsas seguranças que os hábitos nos propiciam, e sobre as quais construímos a vida. Para realizar uma mudança, precisamos morrer metaforicamente para o que não serve mais. É como a metamorfose da lagarta. Para se transformar em borboleta, ela desaparece, “morre” para aquela identidade de lagarta, que, com certeza, a conduziu até aquele momento de transformação, mas que daquele ponto em diante não tem mais propósito.

 

 

Há momentos na vida em que nós também precisamos morrer para o velho, o que fomos nos limita, e viver aquilo que escolhemos. Temos a capacidade de decidir sobre pontos limitantes da nossa vida para transformar tudo o que ousamos sonhar para a realidade.

 

 

Revista Psique Ciência & Vida Ed. 86

Adaptado do texto “Descubra a essência em você”

*Eduardo Shinyashiki é consultor organizacional, escritor e especialista em Desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Especializado em Preparação Psicológica de Equipes de Alto Rendimento com o dr. Octavio Rivas Solis e em Leitura Corporal com o dr. José Angelo Gaiarsa.