Depressão acomete pequenas cidades do Amazonas

Por Jussara Goyano* | Foto: 123 Ref | Adaptação web Caroline Svitras

Algo normalmente atribuído a problemas típicos da vida moderna, a depressão vem acometendo populações que vivem próximas do rio Solimões, no estado do Amazonas. Neste caso, porém, tédio e falta de alternativas de trabalho e lazer observadas na região podem ser fatores que contribuem para o surgimento do transtorno, além dos baixos níveis de escolaridade e renda, uso de álcool, ausência ou pouco apoio social de familiares e amigos, estresse e o acometimento por outras doenças físicas.

 

Um estudo de prevalência nas cidades de Coari e Tefé mostrou que 1 em cada 5 habitantes, com 20 anos de idade ou mais, tem depressão. Em termos percentuais, 19% da população entrevistada apresenta o diagnóstico, contra a amostragem nacional de 14%. Não raros foram os comentários entre as 1.631 pessoas entrevistadas sobre a falta de opções para os moradores dos municípios abordados: “Aqui só temos duas alternativas, rezar ou beber”, ouviu a pesquisadora Edinilza Ribeiro dos Santos, autora do trabalho. Seus achados foram publicados em um artigo na revista PLOS ONE, em sua edição de março.

 

As mulheres e os mais jovens são os mais acometidos por depressão maior. Isso muito embora quase 100% da população das duas cidades sejam cadastradas nos serviços de atenção básica à saúde das duas cidades. Coari está distante 360 km de Manaus, capital do estado, e Tefé está a 633 km, ambas com acesso por navegação. Os dois municípios possuem agricultura e pecuária de subsistência, tendo como maior fonte de emprego e renda o funcionalismo público. Tefé possui cerca de 61 mil habitantes e Coari aproximadamente 75 mil habitantes, segundo o censo de 2010.

 

(Fonte: Agência USP)

 

Revista Psique Ciência & Vida Ed. 129

*Jussara Goyano é jornalista. Estuda Psicologia, Medicina Comportamental e Neurociências, com foco em resiliência, bem-estar e performance. É coach certificada pelo Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento.