Conheça a vida e a arte do escritor e poeta Edgar Allan Poe

O escritor e poeta Edgar Allan Poe é conhecido por suas histórias que envolvem suspense, terror e o macabro. Sua vida se confunde com seus contos de mistério

*Anderson Zenidarci

Um dos primeiros escritores americanos de contos e considerado o inventor do gênero ficção policial também tem uma grande contribuição ao gênero de ficção científica. Nasceu como Edgar Poe na cidade de Boston, filho de atores mambembes de origem escocesa-irlandesa, antes dos três anos ficou órfão de mãe, que morreu pouco depois de dar a luz a sua irmã caçula e de ter sido abandonada pelo marido, devido tanto a complicações no parto como a tuberculose. Deixou os três filhos órfãos, que foram cada um para um destino diferente. Ele foi acolhido pelo casal Francis e John Allan, rico empresário que morava na cidade de Richmond, no estado da Virgínia, mas nunca foi formalmente adotado, embora John tenha lhe dado o seu sobrenome, fazendo com que se chamasse, a partir de então, Edgar Allan Poe. Desde pequeno foi mais apegado à mãe adotiva do que ao pai, que permanecia sempre distante, o que estimulou a difícil relação estabelecida entre os dois a partir da adolescência do escritor, permeada por constantes brigas e discussões que ambos teriam ao longo da vida. Com a também precose morte da mãe adotiva, seu pai voltou a se casar, com uma mulher muito jovem que lhe deu dois filhos, e que o rejeitava veementemente, pois o via como uma ameaça. Isso impediu que Poe se tornasse herdeiro da fortuna paterna, e ele se afastou da casa do pai adotivo. Frequentou a Universidade da Virgínia somente por um semestre, passando a maior parte do tempo entre bebidas e mulheres. Após uma série de discussões com o pai, fugiu de casa para se alistar nas forças armadas, onde serviu durante dois anos antes de ser dispensado. O pai, a contragosto, usou sua influência e o auxiliou a entrar na Academia Militar de West Point, tentando mantê-lo na carreira militar. Mas em virtude da sua propositada desobediência a ordens, uso de álcool e envolvimento com jogos de azar, ele acabou por ser expulso desta academia, em 1831, fato pelo qual seu pai adotivo, ofendido, o repudiou até a sua morte.

Em 1836, conseguindo se manter por meio dos seus escritos, casa-se em segredo com a sua prima Virgínia Clemm, de 13 anos. Quatro anos depois ela começou a sofrer de tuberculose e morreu após seis anos. Viúvo, tentou um relacionamento com Sarah Helen Whitman, que o rejeitou em virtude do comportamento errático, desregrado e alcoólico.
Na época, Poe tentou o suicídio por sobredosagem de láudano, e regressou à cidade de Richmond, onde retomou a relação com uma paixão de infância, Sarah Elmira Royster, então viúva. Também nesse relacionamento teve problemas pelo seu alcoolismo. Ele era uma pessoa solitária, dizia pouco sobre si, um desconhecido mesmo para os mais próximos. Bebia muito e sempre jogava, saía com prostitutas frequentemente. Parecia não pertencer a lugar nenhum.

Além de escrer compulsivamente e ser brilhante no gênero de horror, também escreveu sátiras, contos de humor, e, como efeito cômico, usou a ironia e a extravagância do ridículo, muitas vezes na tentativa de liberar o leitor da conformidade cultural. Era conhecido como um crítico literário cruel, por suas críticas cáusticas. Os autores diziam, em tom de reclamacão, que ele usava ácido prússico ao invés de tinta.

Suas obras influenciaram a literatura do mundo, em campos especializados, tais como a cosmologia (ciência que trata das leis gerais que regem o universo) e a criptografia (escrita por meio de sinais codificados, para que possa ser lido e entendido somente por quem detenha a senha de sua decodificação). Usou das pseudociências muito em “moda” na época, como a frenologia (estudo da estrutura do crânio que determina o caráter e a capacidade mental) e a fisiognomia (técnica de compreensão do comportamento e personalidade, por meio da observação das características dos traços faciais e corporais). O uso desses recursos em seus escritos fascinava o público leitor. A comoção criada por suas façanhas criptográficas desempenhou um papel importante em popularizar criptogramas em jornais e revistas.

Possuía uma afiada habilidade analítica, bem evidente em suas histórias de detetive, que se permitia descrever ao público o perfil do assassino por seu modus operandi. Seu trabalho aparece ao longo da cultura popular na literatura, música, filmes e televisão. Poe é um escritor estudado e cultuado. Entre suas obras destacam-se: O Corvo, Annabel Lee e o volume Histórias Extraordinárias (1837), onde aparecem seus contos mais conhecidos, como “O gato preto”, “O barril de Amontillado, “Manuscrito encontrado numa garrafa” e “A máscara da morte escarlate”, considerado obra-prima do terror.
Sua morte, e o mistério que a cerca, poderia perfeitamente ser um de seus contos de suspense. Poe foi encontrado nas ruas de Baltimore, após ter desaparecido alguns dias, sujo, vestia roupas que não eram suas e apresentava um estado de delirium tremens. Faleceu no hospital quatro dias depois. Neste período, ele não conseguiu estabelecer um discurso suficientemente coerente que pudesse explicar como tinha chegado à situação na qual foi encontrado. A causa de sua morte prematura, aos 40 anos, é desconhecida, polêmica e controversa. Foi por diversas vezes atribuída ao álcool, congestão cerebral, cólera, sífilis, drogas, doenças cardiovasculares, suicídio, tuberculose, doenças cerebrais raras.

O fato é que, como em alguns dos seus contos, a verdade jamais saberemos.

*Anderson Zenidarci é mestre em Psicologia pela PUC-SP, supervisor e palestrante. Coordenador e professor do curso de Especialização em Transtornos e Patologias Psíquicas pela Facis, professor de pós-graduação no curso de Psicologia de Saúde Hospitalar na PUC-SP. Atua há mais de 30 anos em atendimento clínico em diversos segmentos da Psicologia, com especial dedicação à psicossomática, transtornos e patologias psíquicas.

na cidade de Boston, filho de atores mambembes de origem escocesa-irlandesa, antes dos três anos ficou órfão de mãe, que morreu pouco depois de dar a luz a sua irmã caçula e de ter sido abandonada pelo marido, devido tanto a complicações no parto como a tuberculose. Deixou os três filhos órfãos, que foram cada um para um destino diferente. Ele foi acolhido pelo casal Francis e John Allan, rico empresário que morava na cidade de Richmond, no estado da Virgínia, mas nunca foi formalmente adotado, embora John tenha lhe dado o seu sobrenome, fazendo com que se chamasse, a partir de então, Edgar Allan Poe. Desde pequeno foi mais apegado à mãe adotiva do que ao pai, que permanecia sempre distante, o que estimulou a difícil relação estabelecida entre os dois a partir da adolescência do escritor, permeada por constantes brigas e discussões que ambos teriam ao longo da vida. Com a também precose morte da mãe adotiva, seu pai voltou a se casar, com uma mulher muito jovem que lhe deu dois filhos, e que o rejeitava veementemente, pois o via como uma ameaça. Isso impediu que Poe se tornasse herdeiro da fortuna paterna, e ele se afastou da casa do pai adotivo. Frequentou a Universidade da Virgínia somente por um semestre, passando a maior parte do tempo entre bebidas e mulheres. Após uma série de discussões com o pai, fugiu de casa para se alistar nas forças armadas, onde serviu durante dois anos antes de ser dispensado. O pai, a contragosto, usou sua influência e o auxiliou a entrar na Academia Militar de West Point, tentando mantê-lo na carreira militar. Mas em virtude da sua propositada desobediência a ordens, uso de álcool e envolvimento com jogos de azar, ele acabou por ser expulso desta academia, em 1831, fato pelo qual seu pai adotivo, ofendido, o repudiou até a sua morte.

Em 1836, conseguindo se manter por meio dos seus escritos, casa-se em segredo com a sua prima Virgínia Clemm, de 13 anos. Quatro anos depois ela começou a sofrer de tuberculose e morreu após seis anos. Viúvo, tentou um relacionamento com Sarah Helen Whitman, que o rejeitou em virtude do comportamento errático, desregrado e alcoólico.
Na época, Poe tentou o suicídio por sobredosagem de láudano, e regressou à cidade de Richmond, onde retomou a relação com uma paixão de infância, Sarah Elmira Royster, então viúva. Também nesse relacionamento teve problemas pelo seu alcoolismo. Ele era uma pessoa solitária, dizia pouco sobre si, um desconhecido mesmo para os mais próximos. Bebia muito e sempre jogava, saía com prostitutas frequentemente. Parecia não pertencer a lugar nenhum.

Além de escrer compulsivamente e ser brilhante no gênero de horror, também escreveu sátiras, contos de humor, e, como efeito cômico, usou a ironia e a extravagância do ridículo, muitas vezes na tentativa de liberar o leitor da conformidade cultural. Era conhecido como um crítico literário cruel, por suas críticas cáusticas. Os autores diziam, em tom de reclamacão, que ele usava ácido prússico ao invés de tinta.

Suas obras influenciaram a literatura do mundo, em campos especializados, tais como a cosmologia (ciência que trata das leis gerais que regem o universo) e a criptografia (escrita por meio de sinais codificados, para que possa ser lido e entendido somente por quem detenha a senha de sua decodificação). Usou das pseudociências muito em “moda” na época, como a frenologia (estudo da estrutura do crânio que determina o caráter e a capacidade mental) e a fisiognomia (técnica de compreensão do comportamento e personalidade, por meio da observação das características dos traços faciais e corporais). O uso desses recursos em seus escritos fascinava o público leitor. A comoção criada por suas façanhas criptográficas desempenhou um papel importante em popularizar criptogramas em jornais e revistas.

Possuía uma afiada habilidade analítica, bem evidente em suas histórias de detetive, que se permitia descrever ao público o perfil do assassino por seu modus operandi. Seu trabalho aparece ao longo da cultura popular na literatura, música, filmes e televisão. Poe é um escritor estudado e cultuado. Entre suas obras destacam-se: O Corvo, Annabel Lee e o volume Histórias Extraordinárias (1837), onde aparecem seus contos mais conhecidos, como “O gato preto”, “O barril de Amontillado, “Manuscrito encontrado numa garrafa” e “A máscara da morte escarlate”, considerado obra-prima do terror.
Sua morte, e o mistério que a cerca, poderia perfeitamente ser um de seus contos de suspense. Poe foi encontrado nas ruas de Baltimore, após ter desaparecido alguns dias, sujo, vestia roupas que não eram suas e apresentava um estado de delirium tremens. Faleceu no hospital quatro dias depois. Neste período, ele não conseguiu estabelecer um discurso suficientemente coerente que pudesse explicar como tinha chegado à situação na qual foi encontrado. A causa de sua morte prematura, aos 40 anos, é desconhecida, polêmica e controversa. Foi por diversas vezes atribuída ao álcool, congestão cerebral, cólera, sífilis, drogas, doenças cardiovasculares, suicídio, tuberculose, doenças cerebrais raras.

O fato é que, como em alguns dos seus contos, a verdade jamais saberemos.

*Anderson Zenidarci é mestre em Psicologia pela PUC-SP, supervisor e palestrante. Coordenador e professor do curso de Especialização em Transtornos e Patologias Psíquicas pela Facis, professor de pós-graduação no curso de Psicologia de Saúde Hospitalar na PUC-SP. Atua há mais de 30 anos em atendimento clínico em diversos segmentos da Psicologia, com especial dedicação à psicossomática, transtornos e patologias psíquicas.

**Conteúdo adaptado do texto “A vida que imita a arte”

Revista Psique Ed. 126