Atitudes que ajudam a manter a produtividade no trabalho

Algumas atribuições do mundo corporativo geram tensão e estresse, o que acaba nos desestabilizando às vezes. Diante desse cenário, quais atitudes podem ajudar a manter a produtividade e os resultados no trabalho? Confira!

*Eduardo Shinyashiki

Foto Shutterstock

Organizar, gerir, liderar, entre outras inúmeras atribuições do mundo corporativo, geram tensão e estresse, o que acaba nos desestabilizando em certos momentos. Mas diante desse cenário, será possível manter a produtividade e os resultados sem que se percam a serenidade e o controle da situação? Como podemos agir de forma mais eficaz e enfrentar melhor os desafios do cotidiano profissional?

Antes de tudo, é necessário entender que para sobreviver aos incontáveis compromissos, à correria do dia a dia e às exigências de produtividade e prazos, é preciso de disciplina mental, comportamental e algumas atitudes que colaboram para a eficácia profissional.

Não acumular trabalho, por exemplo, é um ponto muito importante. Adiar as tarefas a serem feitas não é algo inato no ser humano, mas sim um hábito que pode ser mudado e treinado. Mantenha a atenção no movimento ativo e construtivo que precisa ser feito. Às vezes, as pessoas adiam trabalhos que poderiam ser resolvidos em poucos minutos. Quando não temos tempo suficiente para finalizar um trabalho, precisamos nos questionar e compreender que o problema não é o tempo, mas sim algo que estamos fazendo de forma improdutiva ou que estamos deixando de fazer. Distrações variadas ou até mesmo pessoas que estão ao redor podem gerar interrupções que roubam um tempo precioso, por isso é preciso cuidado nesse aspecto.

Se permitirmos que conversas, comentários, telefonemas, celular e mensagens nos distraiam demais e tirem a atenção e o foco durante o trabalho, é necessário treinar a nossa capacidade de concentração direcionada. O sucesso e o êxito exigem uma mente ordenada, que sabe, naturalmente, concentrar a atenção na tarefa que está fazendo, que não é afetada por intervenção externa, mas mantém seus pensamentos constantemente organizados e focados por um período suficientemente longo de tempo. Isso permite fortalecer a autoconfiança, calma, clareza mental e força interior.

Pesquisa realizada pela Robert Half nos Estados Unidos, com 300 diretores de RH, revelou que uma mesa desorganizada coloca em cheque as competências e a eficácia de um colaborador. Essa é a percepção de 32% dos entrevistados pela consultoria – e eles não estão errados. Um local de trabalho coberto de papéis e materiais bloqueia a produtividade e aumenta a confusão, não só externa e concreta, mas também mental, de pensamentos, decisões e ideias. A desordem desenvolve um círculo vicioso: adiar a organização do ambiente de trabalho cria a desorganização que, por sua vez, alimenta a procrastinação e mantém a desordem.

Alguma vez já aconteceu de perder muito tempo procurando algo fora do lugar? Demora-se mais tempo procurando documentos na Abagunçab do que em decidir agir e organizar o que é preciso. Quem consegue organizar seu sistema e ambiente de trabalho aumenta muito a sua performance e os seus resultados.

Uma organização externa e material ajuda a criar uma organização mental e vice-versa. Porém, grande parte da energia e do tempo desperdiçados é decorrente de uma mente desorganizada, ou seja, pela falta de objetivos claros, de planejamento e de definição de prioridades.

Para evitar essa perda, mantenha o foco no planejamento e não no improviso. Às vezes, recusamos a nos programar por acreditar na ideia de que o improviso está associado à liberdade, quando, na verdade, é o contrário. Livre é quem sabe planejar, pois consegue equilibrar melhor o tempo, as exigências, tarefas e a ânsia dos prazos que se aproximam. Priorize suas atividades e tarefas, permitindo que seus próprios projetos sejam concluídos com mais eficácia. Quando nos distraímos, temos a tendência de agir de forma improdutiva. Além disso, é muito importante saber dizer não quando necessário, pois ao assumir compromissos que não são de sua competência, seu tempo e energia podem ser desperdiçados.

Uma mente organizada permite ter ação e não procrastinar, portanto treine sempre o hábito de agir. Uma vez identificados os objetivos e as soluções, é importante segui-los, e a autodisciplina é essencial para bloquear os eventuais hábitos limitantes. Não bastam os dons naturais, os talentos e potenciais, se estes não forem aperfeiçoados, direcionados e colocados a serviço de um objetivo.

Sabemos que algumas variáveis são imprevisíveis e fogem do nosso controle, mesmo fazendo todos os planejamentos possíveis. Mas, exatamente por essa razão, treinar a capacidade de planejar nos permite antecipar as consequências, prever quais resultados as ações poderão ter, e gerenciar melhor as urgências que podem aparecer. Assim, ficamos mais disciplinados e aumentamos a nossa própria realização e satisfação.

O paradoxo é que quando estamos agindo dentro desses padrões de comportamento – acumular trabalho, permitir interrupções e manter a desorganização – perdemos muito tempo e nos tornamos extremamente ocupados e atarefados, e acabamos dedicando pouco tempo e atenção para verificar e avaliar para onde estamos indo, qual a direção do nosso trabalho e da nossa vida.

Não precisamos mais enfrentar continuamente emergências, nem ficarmos esgotados trabalhando de forma confusa e improdutiva, mas podemos encontrar energia, calma interior e vontade de realizar cuidando do que realmente é importante e, assim, conquistar resultados significativos para todas as esferas da vida.

*Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, especialista em Desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. É presidente do Instituto Eduardo Shinyashiki e também escritor e autor de importantes livros como Transforme seus Sonhos em Vida (Editora Gente), sua publicação mais recente. www.edushin.com.br

**Conteúdo adaptado do texto “Atitudes para manter a eficácia”

Revista Psique Ed. 130