Aprendendo a trabalhar em equipe

A força do todo, ou seja, o trabalho em grupo harmonioso, é o grande diferencial e um requisito fundamental em qualquer panorama profissional, independentemente do porte da empresa

Por Eduardo Shinyashiki* | Foto: Shutterstock | Adaptação web Caroline Svitras

Saber trabalhar em equipe é um requisito fundamental no panorama profissional atual para qualquer indivíduo e empresa, independentemente de seu tamanho e setor. Considerando os delicados equilíbrios, que se estabelecem entre os profissionais no trabalho, e que podem ser comprometidos por fatores como o estresse, as limitações individuais, a inflexibilidade, a falta de motivação e de experiência, trabalhar em equipe não é uma capacidade inata, mas pressupõe o desenvolvimento das habilidades individuais como processo contínuo de crescimento e de aprendizado.

 

Construir equipes eficazes, desenvolvendo nas pessoas uma orientação à colaboração, à comunicação, à coesão e à codivisão de objetivos, permitindo que as relações interpessoais se tornem laços importantes para o sucesso do time, é um dos maiores desafios das empresas nos dias de hoje.

 

Mas será que é só juntar um certo número de profissionais para se ter uma equipe? As pessoas que se unem para correr uma maratona formam um time? Elas têm um mesmo objetivo, que é ganhar a prova. Porém, estão todas em competição umas com as outras. Um grupo de pessoas em um ônibus ou no cinema também não é uma equipe, pois para podermos falar assim, precisamos ter, entre os membros, um certo grau de interdependência e de colaboração em relação ao mesmo objetivo, como por exemplo, na corrida de revezamento de bastão, em que cada atleta tem a mesma meta e colabora para atingi-la, fazendo a sua parte específica no trabalho e encorajando os companheiros do time.

 

A equipe é uma forma específica de grupo, em que os participantes têm papéis, tarefas, responsabilidades e atividades definidas e, além disso, interagem e dependem uns dos outros para conseguir um objetivo comum. Ela é constituída por pessoas que se comunicam entre si com a consciência de serem interdependentes uns dos outros e de compartilharem os mesmos propósitos.

 

O conflito pode ser construtivo

 

Cada um dos integrantes tem um papel específico e reconhecido, direcionado pelo líder, pois precisamos considerar que trabalho em conjunto não significa que todos podem fazer a tarefa de todos, mas que cada profissional, mantendo sua competência específica, possa se confrontar e cooperar com os outros, integrando os próprios conhecimentos.

 

No contexto profissional, na maioria das vezes, nos encontramos inseridos em um grupo de uma forma não voluntária, em que não escolhemos os participantes, exceto quando eles já estão juntos há tempos. Para que um time possa evoluir e amadurecer e permitir uma maior colaboração entre os seus membros, é necessário passar de uma simples interação a uma verdadeira integração entre eles. Para se falar de equipe, precisamos considerar que a construção dela se desenvolve sob dois níveis, ambos importantes:

 

O nível do objetivo: nenhum grupo de trabalho se torna eficaz se o objetivo a ser atingido não é nítido e amplamente compartilhado pelos seus integrantes. A meta definida em termos de resultados, construída sobre dados concretos e recursos disponíveis, colocada em termos claros, articulada em tarefas e possível de ser avaliada, contribui para consolidar a coesão e o sentimento de pertencer a uma equipe e, consequentemente, fortalece o relacionamento com a organização inteira.

 

O nível da relação interpessoal: essa é facilitada e definida pelo nível da comunicação, que permite o confronto e a transição de um ponto de vista individual a um comum e compartilhado. Uma comunicação clara e aberta é o processo-chave, que permite o funcionamento do trabalho em equipe, porque facilita o fortalecimento da interação relacional entre o grupo, a troca de informações e a concretização dos objetivos, favorecendo a elaboração de materiais e de conhecimento inerentes ao que se faz.

 

O trabalho em equipe é um pressuposto organizacional muito importante e eficaz para resolver problemas complexos, em que a participação de todos os envolvidos é essencial e pressupõe o amadurecimento pessoal em termos de solidariedade, disponibilidade, responsabilidade, flexibilidade e colaboração, fortalecendo o respeito e a valorização das diversidades e competências individuais.

 

Revista psique ciência & Vida Ed. 95

Adaptado do texto “A essência de uma equipe”

*Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, escritor e especialista em Desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos, colabora periodicamente com artigos para revistas e jornais. Autor dos livros Viva como você quer viver, A vida é um milagre e Transforme seus sonhos em vida – Editora Gente. Para mais informações, www.edushin.com.br.